A coluna musical mais comentada da Internet !

Rock nacional: futuro incerto


Gênero fica esquecido pela mídia devido a proliferação do sertanejo e segue seu calvário com um futuro indefinido

(19/03/2015)

O sertanejo anda dominando as rádios de todo o país. A cada dia que passa surgem vários artistas voltados para esse segmento. E em meio a esse predatório mercado, o rock nacional anda sumido, praticamente eliminado das programações. Os fãs, saudosistas, estão órfãos e extremamente preocupados com a situação. Fato é que essa semana, a empresa Crowley, que monitora 215 rádios no país, informou que o rock nacional foi representado com apenas duas das cem músicas mais executadas em 2014. Um duro golpe para o gênero que arrebatou gerações e gerações. Lendo uma reportagem sobre esse assunto no Portal UOL, que entrevistou os principais cabeças do movimento, fiquei com a sensação que há uma luz no fim do túnel. Pelo menos essa é a opinião dos próprios músicos dessa geração que estreou em 1985. Na palavra da maioria deles, há chance de estarmos atravessando apenas um período de baixa, à espera da bonança. Na minha visão é muito cedo para cravarmos alguma coisa sobre as perspectivas concretas sobre essa crise que atravessa o rock brasileiro. Mas tendências existem e quem vivencia a situação de perto pode falar até melhor.

O ex-bateirista do Legião Urbana, Marcelo Bonfá, por exemplo, considera que isso é um ciclo. Trata-se de um fenômeno de uma nova classe econômica ascendente, que antes não tinha acesso às coisas. E a mídia acaba explorando, muitas vezes, uma música sem tanto conteúdo, mais pobre em matéria de letra, melodia, discurso. Segundo ele, o rock ainda não acabou nem vai acabar. Está no mesmo nível. Enfim, é uma herança genética. Já Nasi, líder do IRA, pensa diferente e não tem tantas esperanças assim. Ele acredita que os pequenos e médios artistas estão esmagados pelos grandes. Ressalta também que o que se ouve nas rádios é um grande fim de feira. No pop, é pior ainda. Ninguém canta nada, todos parecem iguais.

Paulo Ricardo, vocalista do RPM, não acredita que haja um culpado. Ele crê na volta do rock logo logo, pois considera que movimentos culturais são sempre pendulares. Na sua visão, o rock, diferentemente do axé e do sertanejo, é um gênero anglo-saxão. Uma briga intensa que precisará de muito trabalho para dar a volta por cima. O líder do Ultraje a Rigor, Roger Moreira, também está otimista. Ele considera que o rock é pendular e existe sempre. O que acontece, na opinião dele, é que ficou uma coisa um pouco padronizada em termos de um comportamento a seguir, aparência que se deve ter, enfim, uma ´´atitude`` entre aspas. Com isso, o Rock deixou de ser o que deveria ser originalmente: diversão para o jovem.  

Pois é, como pode se observar as opiniões estão variadas e temos que respeitá-las, pois tratam-se de grandes nomes do rock nacional. Na minha modesta visão o rock brasileiro não acabou e nem vai acabar. O que acontece é uma má vontade da mídia em dar oportunidade aos novos e antigos roqueiros, fazendo com que haja uma divulgação excessiva de músicas descartáveis, de outros ritmos, que acabam gerando mais audiência para eles. Além disso, outro culpado é o próprio mercado do rock que não anda investindo em grandes nomes para o atual cenário. Não vejo há muito tempo uma revelação nesse movimento. É preciso investimento e sensibilidade por parte dos empresários do meio, pois muitas jóias existem e precisam ser lapidadas, a fim de colher frutos futuros. O dinheiro não pode falar mais alto nessas horas e fazer com que todos os envolvidos abram mão da paixão em nome da razão. Afinal, como já diria o saudoso guitarrista Celso Blues Boy, aumenta que isso aí é ROCK AND ROLL  !


Marcus Vinicius Jacobson

Jornalista e diretor do MVHP - Portal de Cifras
Sugestões de temas, ou elogios e críticas a esta coluna
envie um e-mail para redacao@mvhp.com.br

 

|| COLUNAS ANTERIORES ||

» Sucesso Precoce » O retorno do inesquecível pop/rock
» O Valor do lixo Cultural » O descaso com o samba
» Profissão: Músico » A criminalização do jabá
» Vamos dar um Basta » A música como poder de cura
» A volta do Rock » As expectativas para 2007
» O preço da Fama » Os 100 anos do frevo
» Pobres Compositores » MP3: o futuro da música
» Um descaso à Parte » Tudo que você queria saber sobre registro de músicas
» Contradição na Música » O fim do sucesso
» Renegando as Origens » Como se tornar um bom músico
» Tudo sobre o jabá » O excesso de Cds e DVDs ao vivo
» Cade o Axé Music? » A falta de hits no mercado
» Quanto vale o Som ? » Vivendo de música no Brasil
» Duelo de Gigantes » A vitória do samba carioca
» Drogas X Música » A música sem limites
» Por trás da carreira solo » O futuro do CD
» O sucesso da música descartável » O papel da mulher no samba
» O artista como um produto » A cura dos males através do canto
» Um exemplo a ser seguido » A verdadeira queda dos CDs no Brasil
» Pirataria: A inimiga número 1 » A música como disciplina obrigatória
» Pirataria: Um mal que pode ser necessário » Anos 80 X Músicas Atuais
» Tribalistas: O novo fenômeno Musical » O descaso com os ídolos do passado
» 2003: Mudanças ou Mesmice ? » O centenário de Cartola
» Overdose Estrangeira » A fabricação de bandas pela mídia
» Será que o funk voltou ? » A polêmica do sertanejo universitário
» Samba X Pagode » Violão: um estudo que depende de você
» O futuro da música brasileira » Compositores: os heróis esquecidos
» A falta de renovação na música brasileira » O sucesso da música gospel
» Internet: uma nova opção para os músicos » O que aconteceu com a música brasileira?
» Pra aonde vai a   tradição musical ? » A Internet como ferramenta de divulgação musical
» Brigar pra quê ? » Morre o homem, renasce o mito, vive a lenda
» Educando com a música » Como escolher seu repertório de barzinho
» Música: Um caminho para jovens carentes » A volta da Legião Urbana
» MPB: Cultura ou Entretenimento ? » Os talentos que são desperdiçados
» Festivais de música: Uma necessidade para a MPB » O processo de composição
» Sony e BMG: uma fusão inteligente » A Agonia da Velha Guarda do Samba
» E viva o Samba » O Carnaval e seus contrastes
» Mais um ano se passou » Os novos rumos da indústria fonográfica
» A ascensão do Hip-Hop » MPB: será que há falta de poesia?
» A falta de liberdade na criação » A nova roupagem do ´´sertanejo``
» Um novo alento para as bandas novas

» Gravadoras: uma ´´canoa furada``

» As oportunidades continuam ! » O adeus ao eterno exagerado
» A polêmica de Caetano » A volta do Rock in Rio ao Brasil
» Os 90 anos do mestre Caymmi » Seja seu próprio dono
» Cazuza: o tempo não pára » A nova onda colorida
» Aonde está a liberdade de expressão ? » O que é ser um artista independente ?
» A polêmica da música comercial » O acesso crítico ao mercado fonográfico
» O efeito das Redes P2P na música » O sucesso do youtube para os anônimos da música
» Pirataria: uma polêmica sem limites » A polêmica reforma dos direitos autorais
» Tom Capone: um exemplo de profissional » O artista fabricado e suas consequências
»O processo de composição » O polêmico fim do registro de música
» O funk é cultura?! » Os erros e acertos do Rock in Rio 4
» Amanhã não se sabe » A música sem rótulos
» Na onda das regravações » A polêmica do ´Ai se eu te pego`
» A pobreza musical do momento » A volta do vinil
» Os 20 anos da Axé Music » Profissão: Cantor de Barzinho
» Uma longa jornada pelo espaço » Aprender um instrumento musical é vida !
» O fenômeno das micaretas » A polêmica dos CDs promocionais
» Uma parceria de sucesso » Já não se faz música como antigamente !
» O samba rompendo fronteiras » O centenário do eterno Rei do Baião
» A vez dos artistas esquecidos » O rock sem disfarce
» A crise da indústria da música » O caminho rumo a estrelato
» Optando pelo mercado estrangeiro » A polêmica de Lobão
» O sucesso do mercado GLS » A falta de liberdade de criação
» O Carnaval no Brasil » O renascimento do pagode dos anos 90
» A música fora de Ordem » A falta de espaço para shows na cena independente
» A volta dos Mutantes » O perigo do uso das metáforas na música

VOLTAR | ATUALIZAR | AVANÇAR