A coluna musical mais comentada da Internet !

O perigo do uso das metáforas na música


Repercussão negativa de 2 canções do cenário independente mostra o cuidado que deve-se ter na construção de letras

(14/11/2014)

A música brasileira, a cada dia que passa, vem ultrapassando as barreiras da polêmica. Com a liberdade de expressão consolidada e a gana para estourar depressa nesse mercado concorrido, artistas da nova safra acabam extrapolando da sátira e indo muito além. Dois exemplos disso aconteceram nesses últimos meses e me chamaram a atenção.  O primeiro caso veio do Rio Grande do Norte, onde um artista local causou grande alvoroço nas redes sociais através de sua composição que, supostamente, continha trechos racistas e machistas. A música "Ma Nêga", do cantor Artur Soares, traz versos que citam as palavras "senzala" e "pretinha", principais alvos das críticas. O trecho mais citado nas redes sociais é o que diz "nêga, você vai gostar. Nêga, eu vou te prender na senzala iorubá e o que eu ensinar você vai ter que aprender, porque eu vou te maltratar, pretinha". Outros versos como "trago uma coca-cola pra você pra combinar com sua cor, pretinha" também geraram repercussão negativa devido aos indícios da música remeter a episódios tristes da história, "como a escravidão e a violência sexual a que eram submetidas as escravas mulheres.

O segundo caso veio através do cantor baiano Demétrius Sena, natural do município de Ilhéus, no sul do estado, e que atualmente mora em Berna, na Suíça. Numa das faixas de seu novo CD, o artista traz a tona uma música que faz alusão ao terrível vírus Ebola, que já matou mais de 4,5 mil pessoas no mundo, segundo a OMS. O hit traz no refrão o trecho "ebola, ebola, tentando me matar. Ebola, ebola, vai te contaminar. Ebola, ebola, que miséra é essa, comendo sua mente, sai da frente 'tô' com pressa".

Os artistas se defendem e negam que estejam pegando carona nas polêmicas para virarem ´´destaques``. No caso do cantor potiguar ele jura de pé junto que que a composição não teve a intenção de ser racista e explica que a música é uma homenagem à mulher negra. Sobre "senzala", "pretinha" e "maltratar", ele explica que foi influenciado pelo compositor Ataulfo Alves, quando escreveu "Mulata Assanhada". E citou um trecho da canção: "Ai, meu Deus, que bom seria/Se voltasse a escravidão/Eu pegava a escurinha/E prendia no meu coração!.../E depois a pretoria/Resolvia a questão!". Já o baiano de Ilhéus garante que ao contrário do que muita gente pensa, a música foi criada para fazer crítica à ostentação, pedofilia e futilidade. Ele diz que fez a letra, pois se incomoda com as pessoas que só têm essas coisas na cabeça e, com isso, teve a idéia de compará-las ao vírus que estava chegando no Brasil.

Realmente devemos tomar muito cuidado quando se coloca um trabalho no mercado. Na maioria das vezes você pode ter pensado uma coisa, mas do outro lado existem ouvintes, telespectadores e toda uma crítica especializada que tem outro tipo de interpretação. Sei que o artista pensa inicialmente em expor sua arte, falar um pouco o que acha, usar a ironia, mas o tiro pode sair pela culatra. Essas metáforas podem destruir uma carreira de quem está apenas começando, pois o entendimento é de cada um e o uso constante de termos pejorativos levam ao exagero numa canção.

Você que está iniciando agora nessa carreira lembre-se que o cantar ou escutar uma canção é um meio capaz de desencadear fortes efeitos emocionais numa pessoa. Tristeza, alegria, nostalgia, raiva, etc. Por isso, dentre tantas manifestações artísticas, a música é uma das mais fortes influências culturais. Todavia devemos deixar de fora, ao construir uma canção, elementos que podem transmistir objeto de preconceito com quem está ouvindo. Denegrir o corpo da mulher, endeusar o racismo, a homofobia, por exemplo, devem ser totalmente descartados nesse momento. Preste atenção: no mundo de hoje a sociedade está cada vez mais rígida e participativa. Não queira ´´entrar num ônibus e já sentar na janela``. Humildade, experiência e senso crítico conta muito nessa hora. Caso contrário, sua oportunidade vai para o ralo.


Marcus Vinicius Jacobson

Jornalista e diretor do MVHP - Portal de Cifras
Sugestões de temas, ou elogios e críticas a esta coluna
envie um e-mail para redacao@mvhp.com.br

 

|| COLUNAS ANTERIORES ||

» Sucesso Precoce » O retorno do inesquecível pop/rock
» O Valor do lixo Cultural » O descaso com o samba
» Profissão: Músico » A criminalização do jabá
» Vamos dar um Basta » A música como poder de cura
» A volta do Rock » As expectativas para 2007
» O preço da Fama » Os 100 anos do frevo
» Pobres Compositores » MP3: o futuro da música
» Um descaso à Parte » Tudo que você queria saber sobre registro de músicas
» Contradição na Música » O fim do sucesso
» Renegando as Origens » Como se tornar um bom músico
» Tudo sobre o jabá » O excesso de Cds e DVDs ao vivo
» Cade o Axé Music? » A falta de hits no mercado
» Quanto vale o Som ? » Vivendo de música no Brasil
» Duelo de Gigantes » A vitória do samba carioca
» Drogas X Música » A música sem limites
» Por trás da carreira solo » O futuro do CD
» O sucesso da música descartável » O papel da mulher no samba
» O artista como um produto » A cura dos males através do canto
» Um exemplo a ser seguido » A verdadeira queda dos CDs no Brasil
» Pirataria: A inimiga número 1 » A música como disciplina obrigatória
» Pirataria: Um mal que pode ser necessário » Anos 80 X Músicas Atuais
» Tribalistas: O novo fenômeno Musical » O descaso com os ídolos do passado
» 2003: Mudanças ou Mesmice ? » O centenário de Cartola
» Overdose Estrangeira » A fabricação de bandas pela mídia
» Será que o funk voltou ? » A polêmica do sertanejo universitário
» Samba X Pagode » Violão: um estudo que depende de você
» O futuro da música brasileira » Compositores: os heróis esquecidos
» A falta de renovação na música brasileira » O sucesso da música gospel
» Internet: uma nova opção para os músicos » O que aconteceu com a música brasileira?
» Pra aonde vai a   tradição musical ? » A Internet como ferramenta de divulgação musical
» Brigar pra quê ? » Morre o homem, renasce o mito, vive a lenda
» Educando com a música » Como escolher seu repertório de barzinho
» Música: Um caminho para jovens carentes » A volta da Legião Urbana
» MPB: Cultura ou Entretenimento ? » Os talentos que são desperdiçados
» Festivais de música: Uma necessidade para a MPB » O processo de composição
» Sony e BMG: uma fusão inteligente » A Agonia da Velha Guarda do Samba
» E viva o Samba » O Carnaval e seus contrastes
» Mais um ano se passou » Os novos rumos da indústria fonográfica
» A ascensão do Hip-Hop » MPB: será que há falta de poesia?
» A falta de liberdade na criação » A nova roupagem do ´´sertanejo``
» Um novo alento para as bandas novas

» Gravadoras: uma ´´canoa furada``

» As oportunidades continuam ! » O adeus ao eterno exagerado
» A polêmica de Caetano » A volta do Rock in Rio ao Brasil
» Os 90 anos do mestre Caymmi » Seja seu próprio dono
» Cazuza: o tempo não pára » A nova onda colorida
» Aonde está a liberdade de expressão ? » O que é ser um artista independente ?
» A polêmica da música comercial » O acesso crítico ao mercado fonográfico
» O efeito das Redes P2P na música » O sucesso do youtube para os anônimos da música
» Pirataria: uma polêmica sem limites » A polêmica reforma dos direitos autorais
» Tom Capone: um exemplo de profissional » O artista fabricado e suas consequências
»O processo de composição » O polêmico fim do registro de música
» O funk é cultura?! » Os erros e acertos do Rock in Rio 4
» Amanhã não se sabe » A música sem rótulos
» Na onda das regravações » A polêmica do ´Ai se eu te pego`
» A pobreza musical do momento » A volta do vinil
» Os 20 anos da Axé Music » Profissão: Cantor de Barzinho
» Uma longa jornada pelo espaço » Aprender um instrumento musical é vida !
» O fenômeno das micaretas » A polêmica dos CDs promocionais
» Uma parceria de sucesso » Já não se faz música como antigamente !
» O samba rompendo fronteiras » O centenário do eterno Rei do Baião
» A vez dos artistas esquecidos » O rock sem disfarce
» A crise da indústria da música » O caminho rumo a estrelato
» Optando pelo mercado estrangeiro » A polêmica de Lobão
» O sucesso do mercado GLS » A falta de liberdade de criação
» O Carnaval no Brasil » O renascimento do pagode dos anos 90
» A música fora de Ordem » A falta de espaço para shows na cena independente
» A volta dos Mutantes

VOLTAR | ATUALIZAR | AVANÇAR